29/12/2009

O CANSAÇO DO CORPO

Pamela Creevey

O cansaço do corpo no dia sofrido
com as mãos que lhe tocam fundo
fazendo jorrar água de seus poros
um a um, intumescidos de lascívia
tocados por mil línguas lambendo
o mais fundo dos seus escondidos
segredos, feitos de curvas abertas
na montanha da carne em erecção
que se percorre devagar, qual luar
de carícias abraçadas na escuridão

29/12/2009

2 comentários:

Eduardo Aleixo disse...

Gosto de te ler.

sandra disse...

muito bonito esse poema...amei