28/03/2009

Vivemos num mundo em que é preciso escolher sermos vítimas ou carrascos e nada mais.

“Antinomias políticas. Vivemos num mundo em que é preciso escolher sermos vítimas ou carrascos – e nada mais. Esta escolha não é fácil. Pareceu-me sempre que na realidade não há carrascos, há apenas vítimas. No fim de contas, bem entendido. Mas é uma verdade que está pouco espalhada.
Gosto imenso da liberdade. E para todo o intelectual, a liberdade acaba por confundir-se com a liberdade de expressão. Mas compreendo perfeitamente que esta preocupação não está em primeiro lugar para uma grande quantidade de europeus, porque só a justiça lhes pode dar o mínimo material de que precisamos, e que, com ou sem razão, sacrificariam de bom grado a liberdade a essa justiça elementar.
Sei estas coisas há muito tempo. Se me parecia necessário defender a conciliação entre a justiça e a liberdade, era porque aí residia em meu entender a última esperança do Ocidente. Mas essa conciliação apenas pode efectivar-se num certo clima que hoje é praticamente utópico. Será preciso sacrificar um ou outro destes valores? Que devemos pensar, neste caso?” (Texto escrito entre Setembro e Outubro de 1945.)

“Antinomies politiques. Nous sommes dans un monde où il faut choisir d´être victime ou bourreau – et rien d´autre. Ce choix n´est pas facile. Il m´á toujours semblé qu´en fait il n´y avait pas de bourreau, mais seulement des victimes. Au bout du compte, bien entendu. Mais c´est une vérité qui n´est pas répandue.
J´ai un goût très vif pour la liberté. Et pout tout intellectuel, la liberté finit pour se confondre avec la liberté d´expression. Mais je me rend parfaitement compte que ce souci n´est pas le premier d´une très grande quantité d`Européens parce que seule la justice peut leur donner le minimum matériel dont ils ont besoin et qu´à tort ou à raison ils sacrifieraient volontiers la liberté à cette justice élémentaire.
Je sais cela depuis longtemps. S´il me paraissait nécessaire de défendre la conciliation de la justice et de la liberté, c´est qu´à mon avis là demeurait le dernier espoir de l`Occident. Mais cette conciliation ne peut ce faire que dans un certain climat qui aujourd´hui n´est loin de me paraître utopique. Il faudra sacrifier l´une ou l´outre de ces valeurs ? Que penser, dans ce cas ? »*


Vivemos num mundo que não escolhemos
foi-nos dado viver nele e buscar um destino
ser colhidos como uma flor nascida acaso
na beira da estrada ou no canteiro florido
do lugar que não escolhemos para nascer

vivemos num mundo sombrio onde a luz
alumia um só caminho que não sabemos
percorrer lugar perdido em que é preciso
escolher toda a vida o incrédulo absurdo:
sermos vítimas ou carrascos e nada mais.

* Citação de 1945, in versão portuguesa dos Cadernos de Albert Camus – Caderno Nº 5 (Setembro 1945 – Abril de 1948) - página 131, edição Livros do Brasil; in versão original francesa “Carnets (1935 – 1948) – “Cahier V (Septembre1945- avril 1948) – página 1026, Oeuvres complètes – II. (Mesmo quando surgem duvidas tenho mantido sempre a tradução original.)

1 comentário:

Lucy disse...

Eduardo,

ESpero que não se importe, mas coloquei 'um pouco de si' no meu blogue, é que gostei demais daquele pedacinho de solidão.

Se houver inconveniente, por favor diga que eu retiro imediatamente.

Um abraço,
Lucy